Com o objetivo de acabar com informações desencontradas e que estavam causando preocupação na população, a Prefeita Glaucione Rodrigues anunciou em coletiva à imprensa nesta quinta-feira (21), a suspensão do Certificado de Manancial, ainda que este documento não autorize a instalação da usina de carbonização de resíduos sólidos no Riozinho, motivo das informações desencontradas. Reforçando o compromisso de trabalhar para o bem da população, a Prefeita falou que se reuniu com representantes do Ministério Público e com técnicos ambientais e, diante de todas as incertezas sobre impactos da indústria na saúde pública, decidiu pela suspensão do certificado para deixar a população mais tranqüila, ainda que este documento não autorizasse a instalação.

A Prefeita esclareceu ainda que a usina iniciou o processo de operação em 2014, ou seja, não é um processo recente, como algumas pessoas, utilizando as redes sociais, quiseram dar a entender. Sobre laudos técnicos que tragam segurança sobre os impactos, Glaucione Rodrigues já solicitou que sejam apresentados à administração municipal e que, embora veja a geração de empregos como fator positivo, jamais admitirá a instalação de um empreendimento que possa causar problemas de saúde, por menos graves que sejam, ainda mais quando se fala de uma doença grave.

O licenciamento de instalação da usina é atribuição da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (SEDAM) e não compete à Prefeitura nenhum documento similar. O Certificado de Manancial, em síntese, atesta a distância entre o empreendimento e rios ou manciais. Outro certificado municipal, o de postura, trata da edificação. Contudo, é preciso esclarecer, como afirmou a Prefeita Glaucione, que não é atribuição do município o licenciamento de empreendimentos de alto impacto, como a usina de lixo.

Ao final, a Prefeita garantiu à população que não tomará medida alguma sem amparo técnico, segurança jurídica e sem ouvir os cacoalenses, para os quais diz continuar trabalhando para que possam ter dias melhores.